Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

Três irmãos morrem com sintomas de Covid-19 após churrasco em família em SP

Os irmãos teriam começado a sentir os sintomas do Novo Coronavírus, após uma festa familiar

Uma família de sete irmãos, naturais de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, viveram dias de angústia após a perda de três deles por conta da pandemia da covid-19. Segundo o site Terra, três dos irmãos começaram a sentir os sintomas do Novo Coronavírus após uma festa familiar.

Eles foram internados, porém, não resistiram e morreram em sequência, um por dia, em diferentes hospitais da região metropolitana de São Paulo.

Continue lendo após o anúncio

Vítimas

– Clóvis Luiz Vieira, tinha 62 anos, e era dono de uma oficina mecânica.

– Paulo Roberto Vieira, de 61 anos, outro irmão, possivelmente vítima da Covid-19, era servidor público.

– Maria da Salete Osera, de 60 anos, era supervisora administrativa.

Continue lendo após o anúncio

Contaminação
Os três irmãos e outros familiares e amigos se reuniram em uma festa com 28 pessoas no dia 13 de março. Segundo informações de Rafaela, filha de Salete, uma das vítimas, um dia após a festa, a mãe teve sintomas do que parecia ser gripe muito forte. Nos dias seguinte, sintomas semelhantes foram relatados por outros 13 convidados que também estavam no local. Todos tiveram febre e perda do olfato e do paladar, mas com níveis distintos de gravidade.

Segundo Rafaela, nenhum dos convidados havia saído do País e do Estado de São Paulo neste ano, o que aumenta as suspeitas de contágio comunitário.

Na data do evento, o País tinha apenas 98 casos confirmados da doença, sendo 56 em território paulista. Rafaela ainda contou que acredita que a contaminação possa ter sido na festa, mas que não existe certeza, muito menos de quem possa ser o vetor.

No caso de Salete, a suspeita do Novo Coronavírus surgiu apenas na terceira ida ao médico. Ela recebeu tratamento para gripe e infecção urinária da primeira vez. Na segunda experiência, fez diversos exames e, sem ter um novo diagnóstico, foi medicada e tomou soro. Por fim, na última vez, foi submetida a uma tomografia em que se constatou que tinha 60% do pulmão afetado, embora não sentisse falta de ar: “definiram que ela seria sedada, entubada e mandada para a UTI. De um dia para o outro, a gente se viu com uma pessoa na UTI,” disse Rafaela.

Continue lendo após o anúncio

Enquanto os familiares com sintomas menos graves melhoravam, os quadros clínicos dos três irmãos se agravavam. Salete morreu na quarta-feira, 1º, sendo enterrada no dia posterior, no qual Clóvis faleceu. Ele foi cremado na sexta-feira, 2, dia que Paulo faleceu, o qual foi enterrado na data seguinte. Todos tiveram caixão lacrado e não puderam ser velados, mesmo sem o resultados dos testes para o Novo Coronavírus.

Rafaela contou que no cemitério (no enterro de Salete, sua mãe), estava todo mundo paramentado, com EPI, óculos, máscara, luva, o que dificultava identificar as pessoas que estavam no local. Rafaela também contou que não houve nenhum tipo de despedida, pois o caixão com o corpo foi diretamente enterrado.

“A gente está se segurando nos que restaram. A gente tem quatro (tios) que precisam do nosso apoio, e é nisso que a família inteira está pensando. Todos que faleceram tinham filhos, tinham cônjuges, e a gente tem que continuar vivendo”, disse Rafaela

Continue lendo após o anúncio

Leia Também:

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões...

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Anúncio