‘Traficantes que roubam e matam’; diz Bolsonaro sobre mortos do Jacarezinho

Em seu Twitter, o presidente Jair Bolsonaro classificou os mortos em operação realizada no Jacarezinho, como “Traficantes que roubam, matam e destroem famílias”

As informações são da Jovem Pan Sorocaba.

Sem que as investigações tenham sido concluídas, o presidente Jair Bolsonaro classificou como “traficantes que roubam, matam e destroem famílias” os mortos na operação na favela do Jacarezinho, no Rio, em seu perfil oficial de rede social na noite deste domingo (9).

Na publicação, Bolsonaro parabenizou a Polícia Civil do estado. Esta foi a primeira manifestação pública direta sobre a operação mais letal da história do Rio de Janeiro.

“Ao tratar como vítimas traficantes que roubam, matam e destroem famílias, a mídia e a esquerda os iguala ao cidadão comum, honesto, que respeita as leis e o próximo. É uma grave ofensa ao povo que há muito é refém da criminalidade. Parabéns à Polícia Civil do Rio de Janeiro”, disse.

Ele também prestou homenagem ao policial André Leonardo, morto durante a ação.

“Nossas homenagens ao Policial Civil André Leonardo, que perdeu sua vida em combate contra os criminosos. Será lembrando pela sua coragem, assim como todos os guerreiros que arriscam a própria vida na missão diária de proteger a população de bem. Que Deus conforte os familiares”, postou.

A ação na comunidade de Jacarezinho, na zona norte carioca, ocorreu na quinta-feira (6) e deixou pelo menos 28 mortos.

A operação ocorreu sob a vigência de uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que limita ações policiais em comunidades desde junho do ano passado, durante a pandemia do novo coronavírus. As polícias são obrigadas a justificar as incursões ao Ministério Público.

Os alvos da ação eram 21 réus acusados de associação ao tráfico. A denúncia do Ministério Público contra eles tem como base fotos publicadas em redes sociais em que aparecem armados, mas não cita homicídios, aliciamento de menores e sequestro de trens como divulgado pela Polícia Civil.

A corporação negou que tenha ocorrido irregularidades nas mortes provocadas por seus agentes e afirmou que todos atuaram em legítima de defesa.