Câncer colorretal: como prevenir?

Diante da expectativa de novos casos da doença, Dra. Luciana Buttros de Paula, médica oncologista clínica do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), comenta sobre a importância dos hábitos preventivos e do diagnóstico precoce

O câncer colorretal é um tumor maligno, que pode se instalar no intestino grosso, ou seja, no colón, no intestino delgado ou no reto. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa é que, para cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados 41.010 novos casos da doença no Brasil.

Esse mal, que é mais conhecido como câncer de intestino, inicia-se com pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. O problema apresenta maior probabilidade de desenvolvimento em pessoas do sexo masculino, sendo o terceiro tipo de câncer mais frequente entre os homens, logo após o câncer de próstata e o de pulmão, com maior incidência entre a faixa etária dos 55 aos 65 anos.

Contudo, o diagnóstico precoce pode significar a manutenção da vida, já que uma das maneiras mais eficazes de se prevenir o surgimento dos tumores é a partir da detecção e da remoção dos pólipos, antes mesmo que eles se tornem malignos.

Quanto aos sintomas, Dra. Luciana Buttros de Paula, médica oncologista clínica do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), diz que os sinais mais comuns da doença estão relacionados à alteração do hábito intestinal, diarreia frequente, sangramento intestinal e constipação persistente (prisão de ventre).

“Caso o paciente apresente um desses sintomas, é indicado procurar atendimento médico, o quanto antes. Uma vez avaliado o quadro clínico, é recomendado o exame de colonoscopia, antes de iniciar os tratamentos”, explica a especialista.

A oncologista chama a atenção também para alguns fatores de risco da doença, como: obesidade, tabagismo, alimentação rica em defumados, embutidos e afins. “Dessa forma, além da busca por atendimento médico especializado, a prevenção pode ser feita por meio da manutenção de hábitos de vida saudáveis, com uma alimentação balanceada, incluindo o consumo de verduras e legumes, a prática regular de atividades físicas e, caso haja algum histórico familiar de câncer colorretal, é indicada a realização da colonoscopia periódica”, detalha Dra. Luciana.

Uma vez diagnosticado o mal, o paciente pode iniciar o tratamento e, conforme pontua Dra. Luciana, a cura é possível, se identificado e tratado precocemente. “O principal tratamento é por meio de cirurgia, seguida, ou não, de quimioterapia e/ou radioterapia. Essa orientação se dá por meio do processo de estadiamento, identificando, assim, o grau daquele câncer”, aponta a médica.

Atualmente, diante dos avanços tecnológicos, o tratamento pode ser feito com menos efeitos colaterais e mais qualidade de vida ao paciente. Por sua vez, as cirurgias são realizadas por vídeo ou com o auxílio de robôs e ainda existem medicamentos quimioterápicos menos agressivos.

Mais informações podem ser encontradas no site. O Instituto de Oncologia de Sorocaba está localizado no Centro de Medicina e Saúde, que fica na Av. Comendador Pereira Inácio, 950, Térreo, Jd. Vergueiro, telefone: (15) 3334-3434.