Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

PMs de SP avisam: são contra prender quem desobedecer isolamento social

Coronel da reserva da PM de SP diz que a prisão de quem se recusa a respeitar a quarentena é uma medida “arbitrária”

FONTE: UOL – A associação que representa os oficiais da Polícia Militar (PM) de São Paulo declarou-se contrária à prisão “de brasileiros que não acatarem a recomendação de governos estaduais ao isolamento social” diante da pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O posicionamento foi defendido hoje em nota oficial da Associação de Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar. Para a entidade, o isolamento é uma “recomendação, não uma ordem”. A nota contraria o governador de SP, João Doria (PSDB), embora não faça menção o seu nome.

A pedido do UOL, o presidente da associação, o coronel da reserva Elias Miler da Silva, declarou que a prisão de quem se recusa a respeitar a quarentena é uma medida “arbitrária” que “violenta a Constituição e as leis”.

Continue lendo após o anúncio

O governador anunciou na semana passada que as pessoas que violarem as regras de isolamento poderão ser presas pela PM a partir desta semana.

“Se não elevarmos o nível de pessoas cumprindo a quarentena, a partir de segunda-feira, não apenas o governo do estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas. Queria evitar isso, porque isso significa que pessoas não poderão apenas receber advertências, mas também multa e voz de prisão”, declarou Doria, em entrevista à Rede Globo, na última quinta-feira (dia 9).

Hoje, Doria afirmou que o percentual de isolamento social subiu para 59% após a campanha feita antes do feriado da Páscoa. O número estava em queda e chegou a ser de 47% na última semana, situação que preocupou o governo paulista.

Medida é “inconstitucional”
Em sua nota, a associação não cita o governador, mas diz que, “particularmente no estado de São Paulo, corremos o risco de ver brotar uma medida inconstitucional que poderá ter apelo social dado o desespero em que se encontram nossos concidadãos.”

Continue lendo após o anúncio

“Segundo o artigo 139 da Constituição, somente com a decretação do Estado de Sítio, pelo Presidente da República, após autorização do Congresso Nacional, é que a pessoa poderá ser impedida de circular”, afirmou.

Além de desafiar Doria, os representantes da PM paulista se posicionam contra o ministro da Justiça e Segurança Público, Sergio Moro, que em uma videoconferência promovida pela XP Investimentos, no dia 6 de abril, mencionou a edição de uma portaria, em 17 de março, que enquadra quem descumprir as medidas de restrição nos crimes dos artigos 268 (detenção de um mês a um ano e multa) e 330 (detenção de quinze dias a seis meses e multa) do Código Penal.

De acordo com Moro, a polícia pode impor medidas coercitivas sem determinação judicial. “Até vi no noticiário a polícia pedindo decisão judicial. Se formos ter que provocar as cortes de Justiça para fazer valer as medidas de quarentena, é muito complicado. [A Justiça] Não vai ter condições de atender essa demanda”, disse.

Continue lendo após o anúncio

Leia Também:

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões...

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Anúncio