SAAE trabalha em remoção de algas no Parque das Águas

Saae trabalha diariamente na remoção de algas em bacia de contenção no Jd. Abaeté

A Prefeitura de Sorocaba, por meio do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), informa que equipes da autarquia trabalham diariamente na bacia de contenção localizada no Jardim Abaeté, junto ao Parque das Águas, fazendo a remoção de vegetação. Por dia, a quantidade média de material retirado do local equivale ao conteúdo de dois a três caminhões cheios, do tipo basculante.

Em janeiro, os trabalhos foram realizados ao longo de duas semanas e tiveram que ser novamente retomados em fevereiro, devido ao crescimento rápido da vegetação aquática, em função das altas temperaturas em conjunto com a umidade.

“Já retiramos de lá mais de 100 metros cúbicos de vegetação e intensificamos esse trabalho, com uma equipe maior de funcionários e o uso de máquinas pesadas para facilitar a remoção. O Saae também está realizando o levantamento de preços para contratação de um trator aquático, a fim de agilizar a remoção dessas algas”, explica o diretor-geral do Saae, Ronald Pereira da Silva.

Toda a vegetação retirada é levada de caminhão para uma área de depósito de materiais do Saae, nas proximidades do Jardim Abaeté, para agilizar os trabalhos. Depois, o transporte é feito para o aterro de inertes da cidade. “Também estamos muito atentos à questão ambiental e fazemos o monitoramento da água e dos peixes no local”, complementou o diretor-geral do Saae.

Os trabalhos estão concentrados nas proximidades da Estação Elevatória de Águas Pluviais (EEAPs), onde ficam as bombas que fazem o recalque da água da bacia de contenção para o Rio Sorocaba. Mesmo com essa vegetação em quantidade, o Saae informa que não há risco de obstrução das bombas, uma vez que há gradeamento para reter esse tipo de material, sem comprometer o funcionamento desses dispositivos antienchente.

A bacia de contenção do Jardim Abaeté ocupa uma área de 24 mil metros quadrados e tem capacidade para 48 milhões de litros de água, contendo três conjuntos de motobombas com vazão de 500 litros por segundo e gerador próprio, para o caso de falta de energia. Um sistema de comporta controla a vazão da água do rio.