Bandidos roubam alimentos de associação que cuida de pessoas com câncer em Sorocaba

Levaram cestas básicas que seriam doadas a pacientes oncológicos e botijão de gás de uso da instituição que fica na zona norte de Sorocaba

A Asipeca fica no Parque Laranjeiras.

Bandidos invadiram a Asipeca (Associação de Socorro Imediato a Pessoas com Câncer) em Sorocaba e furtaram cestas básicas que seriam doadas às famílias dos assistidos e botijão de gás de uso da associação.

O comunicado foi feito por Ana Fogaça, em suas redes sociais. Confira o texto abaixo:

“Olá Pessoal viemos por meio deste dar uma triste notícia, infelizmente neste final de semana uma casa onde guardamos itens da ASIPECA foi furtada na Rua Maria Mestre Rosa no parque das laranjeiras!
Foram furtadas Cestas básicas que seriam destinadas a pacientes oncológicos e botijão de gás de uso da entidade.

Pedimos encarecidamente para compartilhar a publicação para que possa chegar ao máximo de pessoas da nossa comunidade para que juntos possamos erradicar este tipo de atitude, infelizmente isso é um desserviço que atrapalha muito, todo um trabalho que temos para conseguir esses mantimentos e distribuir não somente a pacientes oncológicos mas também a pessoas necessitadas de nosso bairro, contamos com o APOIO de todos!
Caso alguém saiba de algo pedimos que nos comuniquem, pois da forma que ficou a casa entendemos que possam voltar novamente!” Encerra Ana Fogaça.

Foto: Reprodução Facebook

Sobre a Asipeca

Tudo começou em 2001, quando Nilton Antunes Fogaça – que viria a ser o fundador da Asipeca – teve câncer na bexiga. Atento ao que estava acontecendo ao seu redor e sentindo os sintomas, resolveu fazer exames de prevenção e nos resultados foi detectada a doença.

A família, ao receber a notícia, ficou impactada, como era de se esperar, mas Nilton pediu para que eles fossem fortes. Começou então o tratamento. Neste período, ele foi encaminhado para uma instituição que ajudava pacientes oncológicos. No local, era recebido muito bem e os demais participantes ajudavam e apoiavam uns aos outros. Porém, ao chegar certo dia, foi surpreendido com a informação que o lugar teria sido lacrado pela Polícia Federal, pois na denúncia que fizeram alegaram que aquela instituição estava desviando verba.

Vários pacientes, presentes naquele momento, ficaram desesperados, sem saber o que fazer e para onde ir. Foi então que Nilton olhou para o céu e disse “Deus, mande uma ajuda”. Logo após dizer isso, Nilton sentiu seu coração aquecido e propôs então aos demais pacientes para montarem a própria associação. Todos concordaram e o escolheram para ser o líder do projeto. Assim, Nilton levou todos para a casa dele.

Na época, moravam ele, a esposa, o filho e a filha, que ficaram assustados e sem entender o havia acontecido quando ele chegou. Nisso, a filha questionou: “e agora, pai?”. E Nilton de prontidão respondeu: “agora vou pedir ao seu irmão para ceder o quarto dele. Vocês terão que ficar mais apertados dentro de casa, pois iremos usar o quarto dele para realizar os nossos encontros diários”. O filho, Nilton Antunes Fogaça Filho, aceitou de imediato o pedido do pai e então ele e os pacientes começaram a se encontrar todos os dias na casa de Nilton. Buscaram quais os documentos necessários para a regularização e assim criaram o nome ASIPECA (Associação de Socorro Imediato a Pessoas com Câncer). O nome foi escolhido justamente devido ao desespero daquela fase. Assim, nasceu a ASIPECA, no dia 7 de março de 2007, fundada por pacientes e seus familiares.

Posteriormente, com tudo mais organizado, Nilton voltou a estudar, já que teria estudado até a quarta série. Completou até o colegial, entendendo que deveria ter mais conhecimento para dirigir uma instituição.

Com o tempo e o crescimento da associação, já não cabia mais a ASIPECA e a família de Nilton no mesmo local. Assim, ele e sua esposa, Célia Maria Alencar Fogaça, decidiram alugar uma casa para a família e cedeu a deles para ser a sede da ASIPECA, seguindo as normas da vigilância sanitária, do corpo de bombeiros e realizando as adaptações necessárias.

A ASIPECA cresceu tanto que a filha de Nilton, Ana Fogaça, saiu de seu trabalho atual para ajudar o pai nesta empreitada. Logo depois, a cunhada de Ana, Letícia Hoffman Castanho, também chegou para somar rumo ao objetivo de acolher estes pacientes da melhor forma possível.

Atualmente, a ASIPECA possui mais de 40 pessoas entre voluntários e profissionais contratados, mais de 300 pacientes cadastrados de Sorocaba e região, sendo adultos com idade acima de 18 anos.