Coronavírus: usuário registra ônibus lotado em Sorocaba

Movimento até diminuiu, mas muita gente ainda circula em ônibus da cidade

Mesmo com a crise do novo coronavírus, o medo da disseminação da doença e as medidas para evitar a contaminação em Sorocaba, usuários do transporte público relatam ônibus lotados neste sábado.

Na manhã deste sábado (21/03), o ônibus da linha Paineiras estava lotado. Um passageiro enviou imagens ao Jornal ZNorte e um desabafo, confira abaixo.

Bom dia a todos (as)
Galera creio que todos devemos nos empenhar ao máximo em não se expor por conta da proliferação do coronavírus. Mas hoje pela manhã me deparei com essa situação, reduziram os ônibus com funcionamento no horário de domingo, porém se esqueceram que pessoas ainda estão trabalhando, não querem aglomeração de pessoas mas permitem tal situação, gostaria de saber qual será o novo posicionamento do poder público ou da Urbes, porém essa situação não pode ficar assim, fotografei o interior do ônibus agora pela manhã vindo trabalhar. Todas as pessoas nesse ônibus reclamando. Essas fotos são da Linha 46 Pq. das Paineiras …. toda manhã de sábado pego esse mesmo ônibus e sempre vem vazio, agora com a grade reduzida aumentou aglomeração de pessoas no ônibus. O QUE FAZER ????” – encerrou o passageiro.

Transporte coletivo em Sorocaba passou a atender em horários reduzidos

Medida extrema visa cumprir a recomendação de isolamento social por conta do coronavírus.

Diante da baixa no número de pessoas que utilizam os ônibus, a Urbes – Trânsito e Transportes, em consonância com o que está sendo apregoado pelas autoridades de Saúde, e conforme determinação da Prefeitura de Sorocaba, aplicou, neste sábado (21), operação reduzida do transporte coletivo, que passarão a utilizar as tabelas com horários de domingo. Já a partir de segunda-feira (23), o transporte coletivo passa a utilizar a tabela horário de sábado, para atender os passageiros que ainda precisam se deslocar para o trabalho ou outras emergências.

Neste momento crucial para o país, em que o isolamento social é necessário para se evitar a propagação do Covid-19 (coronavírus), o transporte coletivo é um dos serviços públicos que tem sentido diretamente esse novo comportamento da população. Conforme foi detectado no período de 02 a 17 deste mês, houve uma queda de demanda de passageiros na ordem de aproximadamente 28%, se comparado a um dia útil normal, o que representa em números absolutos queda de aproximadamente 41 mil passageiros. Computando o resultado até o dia de hoje (18), a queda aumentou para 43%, aproximadamente 63 mil passageiros deixaram de utilizar o transporte coletivo urbano aos dias úteis.

De acordo com o setor de Operação de Transporte Urbano, com essa medida de contenção, haverá redução na oferta de horários para toda a cidade. Ao utilizar tabela de horários de sábado, a redução da oferta é de 35%, em relação aos dias normais. Já ao usar a tabela de horários de domingo, a redução é de 50%.

“Trata-se de uma medida extrema, que sabemos que irá desestimular as pessoas a saírem de casa, mas neste momento em que Sorocaba, o País e o mundo tentam conter a disseminação do coronavírus, que já fez milhares de vítimas fatais, todos nós precisamos ter consciência coletiva, de que a atitude mais responsável e respeitosa com o próximo é permanecer dentro de casa”, assevera Sergio Pires, diretor-presidente da Urbes.

Com a aplicação dos horários reduzidos de oferta do transporte coletivo, a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Urbes, atende também aos pedidos feitos pelas operadoras STU e Consor, que sentem a queda de demanda, à recomendação feita pelo sindicato que representa a categoria dos motoristas e outros profissionais do setor de transportes, para a redução mínima de 30% da frota de veículos em circulação, bem como a recomendação feita pelo Ministério Público (MP), para reduzir o número de usuários do transporte coletivo.

“Solicitamos a compreensão da população neste momento, já que reduzir um serviço essencial como esse impacta no cotidiano das pessoas, mas que também pode contribuir com a redução do número de infectados por essa doença e, principalmente, que deixemos de contaminar os mais frágeis”, reforça o presidente da Urbes, Sergio Pires.