Mulher é multada por furar quarentena para visitar pai com câncer terminal

Seis dias depois de receber uma visita da filha num hospital na Coreia do Sul, um paciente com câncer morreu.

Aquele encontro marcou a última vez que se viram, mas acabou resultando na condenação da filha pela Justiça. Segundo o Tribunal Distrital de Cheongju, a mulher quebrou a quarentena ao ter ido ver o pai e, por isso, precisa pagar uma multa de 1,5 milhão de wones (aproximadamente R$ 7,5 mil).

Os documentos judiciais informam que a filha do paciente tinha chegado de viagem dos Estados Unidos, em 24 de abril de 2020, e precisava ficar duas semanas em isolamento por precaução, em razão da pandemia. No entanto, no dia seguinte ao desembarque, ela foi à unidade de saúde onde seu pai estava internado, com câncer, em estado crítico. Alguns dias depois, saiu o resultado do teste pelo qual ela passou no aeroporto, logo após sua chegada ao país: deu negativo para a Covid-19.

A sentença para a mulher, de 33 anos, foi determinada como o pagamento de uma quantia que, de acordo com o jornal “The Korea Times”, é inferior às penalidades usuais adotadas para o mesmo tipo de delito. O valor da multa pode ser definido em até 10 milhões de wones (cerca de R$ 50 mil), com a sentença máxima podendo ser de até um ano de prisão.

“Não foi um crime leve quebrar a regra de auto-quarentena, considerando a gravidade da situação da Covid-19”, afirma trecho da decisão judicial. “Mas levamos em consideração o motivo de sua violação quando ela tentou encontrar seu pai pela última vez, e sua violação não espalhou o vírus”.

A denúncia contra a mulher tinha sido apresentada pela Prefeitura de Cheongju um dia depois da visita dela ao pai. O descumprimento da quarentena foi confirmado por meio de um sistema de rastreamento por GPS.

“Nos sentimos mal em registrar a queixa, mas tivemos que fazê-lo devido aos regulamentos”, disse um funcionário do Centro de Saúde Pública de Cheongju, informou o “Korea Times” nesta terça-feira, dia 2.