Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

Faço parte do povo que prefere comida simples, do que comida cara e chique

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões é transformar pratos caros em uma comida de acesso ao grande público, usando ingredientes sazonais.

Adoro os rangões do mundo inteiro, e sempre busco sabor nos pratos clássicos. Se vou a uma pizzaria, peço uma margherita, em um francês, um cassoulet, em uma hamburgueria, um cheese-salada, e por aí vai. Acho que, se um restaurante não sabe executar o básico, não vale a pena experimentar o resto.

Além disso, dificilmente a receita contemporânea me agradará mais que a clássica. Não se pode virar as costas para séculos de tradição. Uma coisa é o Rodrigo, do Mocotó, usar defumador para fazer torresmo, e carne de sol em baixa temperatura. Isso é usar técnica em favor do ingrediente, e com intimidade com o mesmo.

Continue lendo após o anúncio

Agora, fico bastante irritado com chefs que, para aparecer, usam técnica pela técnica, de maneira gratuita, e se aproveitam da falta de parâmetro da clientela para cobrar um preço estratosférico por um prato que parece uma instalação.

Não sou rato de laboratório à disposição para eventuais testes de estudantes de gastronomia recém-formados que não têm nada a dizer. Difícil respeitar quem não manuseia direito uma frigideira, mas faz acrobacias com um sifão.

O que te faz mais feliz? A textura de um cogumelo ou a espuma dele? Devemos respeitar os ingredientes! Ou, uma hora, eles se revoltarão contra nós.

Será que esse povo sabe fazer uma galinha? Por que uma galinha mal feita é uma galinha morta à toa. Não gostaríamos de ver isso.

Continue lendo após o anúncio

É cada vez mais difícil encontrar um belo e simples prato de comida. Fomos criados na base de arroz, feijão e bife. Porque não encontramos isso nos melhores restaurantes? Duas ou três exceções servem isso de maneira bacana. É muito pouco.

Adoro comida italiana, japonesa e francesa. Mas não entendo por que temos centenas de restaurantes de outras culturas e uns três ou quatro brasileiros.

Estamos esquecendo o básico. Nossas raízes. Para cozinhar bem, é preciso ter intimidade com o ingrediente e com a receita. Dificilmente encontramos um francês bacana sem um cozinheiro francês, e por aí vai.

Agora, quando você não tem intimidade com nada, e passa a fazer cozinha de autor, entra em território perigoso. Tem que ter base, pois sem isso não se chega a lugar nenhum. Simples assim. Cozinheiro sem base não tem nada a dizer.

Continue lendo após o anúncio

Dou dois exemplos. Um bom e outro ruim. O bom: Raphael Despirite. Junto com sua jovialidade e excelente formação, carrega mais de 50 anos de tradição francesa na família e, a partir daí, desenvolve uma cozinha de autor leve, inteligente e concisa. Une técnica com tradição, de maneira harmoniosa e, como ainda é um jovem, deve chegar bem além do que já pratica. Está em bom caminho. Exemplo ruim: Leonardo Botto, do La Frontera. Estive lá e pedi um ceviche terrível, típico de quem não tem a menor idéia do que faz. E de sobremesa, pudim talhado, a 14 reais! Uma pena!

E o pior é que esses restaurantes “contemporâneos” cobram mais que franceses 3 estrelas michelin. Nada justifica isso!

Cada vez mais, indico restaurantes de natureza simples, tocados por famílias, e que não cobrem um preço exorbitante. Seja japonês, francês ou brasileiro.

Não percamos o foco. Nada me deixa mais feliz que um bom e velho prato de comida.

Continue lendo após o anúncio

“Eu quero é feijão com arroz”

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também:

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Artigos

A vítima era cunhada do suposto autor do crime. Ele teria dito a ela que não se preocupasse, pois o “útero dela era pequeno”...

Anúncio