Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

Enfermeira de 54 anos é a primeira pessoa ser vacinada contra covid-19 em SP

Minutos após aprovação, Doria acompanha primeira vacinação contra a covid-19 no estado de SP

A primeira pessoa escolhida para ser vacinada é a enfermeira Monica Calazans, 54 anos.

Minutos após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ter aprovado, por unanimidade, a autorização do uso emergencial das vacinas Coronavac e AstraZeneca, o governador de São Paulo, João Doria, participou, nesta tarde de domingo (17), da primeira aplicação da dose, feita de forma simbólica em uma enfermeira do estado.

A primeira pessoa escolhida para ser vacinada é a enfermeira Monica Calazans, 54 anos, que faz parte do grupo de risco da covid-19, por ser obesa, diabética e hipertensa. Enquanto a profissional era vacinada, Doria permaneceu ao seu lado. Monica trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emilio Ribas.

Continue lendo após o anúncio

Após a celebração da primeira dose aplicada, Doria concedeu coletiva e engrossou o discurso a favor da vacina e contra quem ele chama de “negacionistas”. “A vacina vai ajudar a evitar cenas dramáticas, como o mundo viu em Manaus. Cenas que chocaram a opinião pública mundial”, disse o governador. “´Pressa pra que? Disse um brasileiro. Toma cloroquina que passa. Não há mais nada a fazer´”, falou referindo-se e criticando frases ditas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Doria parabenizou a Anvisa pela decisão de conceder autorização para o uso das vacinas. Entretanto, ele frisou para a importância, ainda assim, de seguir os protocolos de segurança e saúde. “Até que todos os brasileiros estejam vacinados, a chegada da vacina não vai nos liberar das máscaras, do uso do álcool em gel, o distanciamento social, a proteção a quem tem comorbidades”.

O governador autorizou, nesta tarde de domingo, o encaminhamento das doses da Coronavac para que o Ministério da Saúde faça a distribuição aos estados brasileiros. “Peço ao Ministério da Saúde que pare de recomendar e distribuir a cloroquina. É criminoso fazer crer, sobretudo, a população mas simples, que a ´cloroquina salva´. A cloroquina não salva e, em algumas ocasiões, ela mata. Parem de fazer isso”, esbrevejou.

Anvisa autoriza Coronavac e AstraZeneca

Continue lendo após o anúncio

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou, por unanimidade, o uso emergencial da Coronavac e da AstraZeneca/Oxford no Brasil. Os pedidos foram feitos pelo Instituto Butantan e Fiocruz, respectivamente.

O uso dos imunizantes foi autorizado após votação feita pela diretoria do colegiado do órgão neste domingo (17), formada por cinco integrantes. Foram cinco votos a favor proferidos por: Meiruze Freitas (diretora e relatora), Romison Mota (diretor substituto), Alex Campos (diretor) e Cristiane Jourdan (diretora) e Antonio Barra (diretor-presidente).

“Ambas atendem aos critérios de qualidade e segurança para o uso emergencial”, disse a relatora do processo e diretora da Anvisa, Meiruze Freitas. A diretora considerou os relatórios preliminares dos ensaios clínicos nas fases três, boas práticas, eficácia e qualidade para dar o parecer favorável à aplicação das doses, entretanto, recomendou monitoramento dos estudos sobre a imunogenicidade após a aplicação das doses no uso emergencial. Ainda segundo Meiruze, os benefícios das vacinas superam eventuais riscos.

Durante a apresentação técnica de ambas as vacinas, a equipe deixou claro que “não há tratamento eficaz para a covid-19”, o que tornaria essencial a vacinação da população para diminuir o contágio da doença.

Continue lendo após o anúncio

A aplicação pode ser iniciada após a publicação da medida no Diário Oficial da União (DOU), cuja a previsão é ainda neste domingo, além da assinatura de um termo de compromisso dos institutos.

Estavam na pauta da Anvisa os processos do imunizante Coronavac, fabricado e desenvolvido pelo Instituto Butantan, em conjunto com a farmacêutica chinesa Sinovac; e o da vacina da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com o laboratório AstraZeneca.

O Butantan pediu aval para uso de 6 milhões de doses da vacina importada da China.

Somados, os pedidos se referem a seis milhões de doses da Coronavac e outros dois milhões de doses da vacina da Astrazeneca/Oxford.

Continue lendo após o anúncio

Leia Também:

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões...

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Anúncio