Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

Operação Jibóia: PM e Gaeco prendem 12 e apreendem quase R$ 900 mil em Sorocaba

Mais de 500 agentes foram para a rua.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo (Gaeco) deflagrou, nesta manhã de sexta-feira (3), com apoio da Polícia Militar, a Operação Jibóia para cumprimento de ordens judiciais de prisões e buscas domiciliares contra integrantes da facção criminosa PCC na capital e em outras regiões do Estado.

Foram cumpridos mandados em Sorocaba, além de outras cidades do estado. Até o fim da manhã, o balanço da operação indicava a apreensão de R$ 1 milhão em dinheiro vivo, sete armas, mais de 50 celulares, quatro balanças utilizadas para pesar droga, anotações da facção e sete veículos. Além das prisões determinadas por mandados, 13 pessoas foram presas em flagrante delito e ocorreu a apreensão de um adolescente.

Continue lendo após o anúncio

Parte dos alvos integraria as atuais funções de comando e liderança da facção nas ruas, em lugar da cúpula atualmente custodiada em presídios federais.

Os presos foram investigados, ao longo dos últimos meses, por exercerem as mais diversas funções na facção, ligadas ao tráfico de drogas, ao cadastramento de armas e ao recolhimento de valores para a organização, a realização de julgamentos informais (“tribunais do crime”) e até funções de inteligência e de lideranças.

É a primeira etapa de um trabalho visando a manter a desestruturação (estrangulamento, daí o nome da operação) da organização criminosa, iniciada com a transferência da cúpula para presídios fora do Estado de São Paulo, após decisão judicial no início deste ano que deferiu pedido do Gaeco.

A força-tarefa envolveu a participação direta de 22 promotores de Justiça, 18 servidores, 485 PMs, 139 viaturas e contou com o apoio de três equipes do Águia e cinco do canil.

Continue lendo após o anúncio

De acordo com o subprocurador-geral de Justiça de Políticas Criminais e Institucionais, Mário Sarrubbo, a “coordenação entre promotores de justiça, agentes de núcleos das mais diversas regiões, é fundamental para que o Ministério Público prossiga na sua estratégia de enfrentamento de forma mais integrada, moderna e ágil contra a maior facção criminosa do país. Dentro desta atual concepção, nos próximos dias parte dos aparelhos digitais e dos documentos apreendidos serão encaminhados para perícia com recursos tecnológicos mais avançados e modernos, permitindo espectro mais aprofundado e preciso de análise e cruzamento de dados”.

Os investigados podem responder por crimes de organização criminosa (3 a 8 anos de pena), tráficos de drogas (5 a 15 anos de pena), associação ao tráfico (3 a 10 anos de pena), sequestro e cárcere privado (2 a 08 anos de pena) e lavagem de dinheiro (3 a 10 anos de pena).

Fonte e fotos: MPSP/divulgação

Continue lendo após o anúncio
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também:

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões...

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Anúncio