Conecte-se com a gente!

E aí, o que você está procurando?

Com depressão e dificuldades, professor decide morar nas ruas

Desde o início de 2018, Marcelo Henrique Marques de Souza, que também é poeta e escritor, e dava aulas nas escolas particulares do bairro, dorme nas calçadas

Marcelo Henrique lê “Estorvo”, de Chico Buarque numa noite fria em um canto da Avenida Maracanã: sonho de retomar carreira de escritor e professor 
RIO — Quando precisa chorar, o professor de ciências sociais, poeta e escritor Marcelo Henrique Marques de Souza procura o lugar mais ermo de um trecho sossegado da Avenida Maracanã, próximo à Praça Xavier de Brito, na Tijuca. Sofrendo de depressão, ele, que é mestre em comunicação, vive há um ano numa calçada da avenida, num cantinho formado pelo encontro das grades de dois prédios vizinhos. Morar nas ruas, como ele diz, é “muito terrível”.

— Às vezes, dá vontade de chorar. Como sou homem, se me veem assim, acabam me roubando. Não se pode chorar: é preciso fazer sempre cara de mau. A rua é uma selva — disse Marcelo, que tem 44 anos, na noite da última segunda-feira.

Continue lendo após o anúncio

RELEMBRE : Carioca encontrado na Cracolândia morreu dormindo de ataque cardíaco, diz psiquiatra

Com febre, ele se recupera de uma sinusite alérgica, sentado numa cadeira de escritório (que, gentil, oferece à repórter), cercado de bolsas plásticas com alguns poucos alimentos e roupas. Enquanto isso, assiste, pelo celular, a uma conferência do escritor português Gonçalo Tavares. Apesar da barba feita, os pés muito sujos denunciavam a sua situação — desde o dia anterior ele não tomava banho. Ex-professor de escolas particulares da região, em matérias como filosofia, literatura e redação, com mestrado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (o Programa de Pós-graduação em Comunicação confirma o título) e autor de oito livros (quatro pela Editora Multifoco), ele passa dias e noites ali, lendo e vendo vídeos no Youtube por um telefone que ganhou de uma ONG.

Numa mochila, Marcelo guarda documentos e os livros que lê no momento. Um deles é “Estorvo”, de Chico Buarque, em que o protagonista e narrador é um desajustado, com sentimento de abandono e solidão. Outro é “A República Mundial das Letras”, de Pascale Casanova, que, como explica Marcelo, faz o mapeamento da história da literatura sob uma visão geopolítica. Ainda carrega “Ilusões Populares e a Loucura das Massas”, de Charles Mackay.

PUBLICIDADE

Continue lendo após o anúncio

— É um livro sobre psicologia popular e o delírio coletivo ao longo da história — conta ele, que conversa com desenvoltura sobre literatura e filosofia, num papo cabeça cheio de referências a escritores e filósofos, como o alemão Hegel e o esloveno Slavoj Zizek.

Além de professor, poeta e escritor, Marcelo Henrique tem mestrado na Universidade Federal de Juíz de Fora


Além de professor, poeta e escritor, Marcelo Henrique tem mestrado na Universidade Federal de Juíz de Fora 
Um tema que também lhe é caro é a psicanálise. Por isso, reconhece sua condição: ele afirma que sofre depressão desde 2007, quando foi despejado de um confortável apartamento na Tijuca. A morte do avô paterno, que o amparava, o deixou em situação financeira difícil. Criado nas redondezas da Praça Xavier de Brito, Marcelo, que surfava e jogava futevôlei, vem de uma família de classe média. Sem dar detalhes, conta apenas que não sabe onde está a mãe e que não fala com o pai, que viveria em Brasília, desde os 15 anos. Um irmão morreu, e outro moraria com o pai.

Marcelo afirma que não usa drogas e só bebe, uma cervejinha, socialmente. A depressão se aprofundou com o fim de relacionamentos (ele nunca casou, nem teve filhos), sem contar um sentimento quase constante de perseguição.De acordo com a defensora pública Carla Beatriz Nunes Maia, do núcleo de Direitos Humanos, Marcelo é mais uma das pessoas de classe média a parar na rua, por diferentes motivos: ela diz que anos atrás esse perfil não existia.

Continue lendo após o anúncio

Depressão e dificuldades fazem professor com mestrado morar nas ruas do Rio
Desde o início de 2018, Marcelo Henrique Marques de Souza, que também é poeta e escritor, e dava aulas nas escolas particulares do bairro, dorme nas calçadas

Marcelo Henrique lê “Estorvo”, de Chico Buarque numa noite fria em um canto da Avenida Maracanã: sonho de retomar carreira de escritor e professor 
RIO — Quando precisa chorar, o professor de ciências sociais, poeta e escritor Marcelo Henrique Marques de Souza procura o lugar mais ermo de um trecho sossegado da Avenida Maracanã, próximo à Praça Xavier de Brito, na Tijuca. Sofrendo de depressão, ele, que é mestre em comunicação, vive há um ano numa calçada da avenida, num cantinho formado pelo encontro das grades de dois prédios vizinhos. Morar nas ruas, como ele diz, é “muito terrível”.

— Às vezes, dá vontade de chorar. Como sou homem, se me veem assim, acabam me roubando. Não se pode chorar: é preciso fazer sempre cara de mau. A rua é uma selva — disse Marcelo, que tem 44 anos, na noite da última segunda-feira.

RELEMBRE : Carioca encontrado na Cracolândia morreu dormindo de ataque cardíaco, diz psiquiatra

Continue lendo após o anúncio

Com febre, ele se recupera de uma sinusite alérgica, sentado numa cadeira de escritório (que, gentil, oferece à repórter), cercado de bolsas plásticas com alguns poucos alimentos e roupas. Enquanto isso, assiste, pelo celular, a uma conferência do escritor português Gonçalo Tavares. Apesar da barba feita, os pés muito sujos denunciavam a sua situação — desde o dia anterior ele não tomava banho. Ex-professor de escolas particulares da região, em matérias como filosofia, literatura e redação, com mestrado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (o Programa de Pós-graduação em Comunicação confirma o título) e autor de oito livros (quatro pela Editora Multifoco), ele passa dias e noites ali, lendo e vendo vídeos no Youtube por um telefone que ganhou de uma ONG.

Numa mochila, Marcelo guarda documentos e os livros que lê no momento. Um deles é “Estorvo”, de Chico Buarque, em que o protagonista e narrador é um desajustado, com sentimento de abandono e solidão. Outro é “A República Mundial das Letras”, de Pascale Casanova, que, como explica Marcelo, faz o mapeamento da história da literatura sob uma visão geopolítica. Ainda carrega “Ilusões Populares e a Loucura das Massas”, de Charles Mackay.

— É um livro sobre psicologia popular e o delírio coletivo ao longo da história — conta ele, que conversa com desenvoltura sobre literatura e filosofia, num papo cabeça cheio de referências a escritores e filósofos, como o alemão Hegel e o esloveno Slavoj Zizek.

Além de professor, poeta e escritor, Marcelo Henrique tem mestrado na Universidade Federal de Juíz de Fora Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Além de professor, poeta e escritor, Marcelo Henrique tem mestrado na Universidade Federal de Juíz de Fora Foto: Guito Moreto / Agência O Globo
Um tema que também lhe é caro é a psicanálise. Por isso, reconhece sua condição: ele afirma que sofre depressão desde 2007, quando foi despejado de um confortável apartamento na Tijuca. A morte do avô paterno, que o amparava, o deixou em situação financeira difícil. Criado nas redondezas da Praça Xavier de Brito, Marcelo, que surfava e jogava futevôlei, vem de uma família de classe média. Sem dar detalhes, conta apenas que não sabe onde está a mãe e que não fala com o pai, que viveria em Brasília, desde os 15 anos. Um irmão morreu, e outro moraria com o pai.

Continue lendo após o anúncio

Marcelo afirma que não usa drogas e só bebe, uma cervejinha, socialmente. A depressão se aprofundou com o fim de relacionamentos (ele nunca casou, nem teve filhos), sem contar um sentimento quase constante de perseguição.De acordo com a defensora pública Carla Beatriz Nunes Maia, do núcleo de Direitos Humanos, Marcelo é mais uma das pessoas de classe média a parar na rua, por diferentes motivos: ela diz que anos atrás esse perfil não existia.

FONTE

Continue lendo após o anúncio

Leia Também:

Faz parte de minha profissão visitar bares e restaurantes, o que, na maior parte das vezes, é um grande barato. Uma das minhas diversões...

Nos do grupo Sorocabanices, resolvemos criar um grupo de auto ajuda, onde os membros poderão postar fotos de pessoas e animais desaparecidos, documentos perdidos...

Um caso chocou o Brasil na última terça-feira (19). Uma mulher foi presa após agredir e raspar a cabeça da filha de 13 anos....

Uma forte chuva atingiu Ilha Comprida, litoral de SP, mais conhecida pelos sorocabanos como praia do “Oi”. Mais de 150 mulheres de Sorocaba que...

Anúncio