Sob homenagem, a elefante Haisa é enterrada em Sorocaba

A elefante indiana Haisa morreu nesta quarta-feira (18), no zoológico de Sorocaba

Sob uma chuva fina, a querida Haisa, elefante asiática do Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros”, foi enterrada na tarde desta quinta-feira (19) numa área aos fundos do Parque Natural “Chico Mendes”, com a presença de funcionários do zoo. Uma homenagem foi feita a Haisa, quando todos se reuniram em frente ao local onde ela foi enterrada e, após proferidas algumas palavras de carinho, ela ganhou aplausos de toda a equipe. Ela fez parte da histo?ria do zoo sorocabano, onde viveu por 25 anos.

Antes disso, a elefante passou por necropsia e fez exames associados no Hospital Veterinário da Uniso (Universidade de Sorocaba), com acompanhamento de técnicos do zoo e dos patologistas Natália Fernandes e Juliana Guerra, do Instituto Adolfo Lutz, e Pedro Navas, da USP, para saber a causa da sua morte. O resultado deve sair em aproximadamente 45 dias.

A “operação” toda teve início às 5h da manhã desta quinta-feira. Para transportá-la do zoo até o Hospital Veterinário da Uniso para a necrópsia, a elefante foi içada com guindaste e colocada em cima de um caminhão de transporte com a participação de seis funcionários. Já o enterro terminou por volta das 16h30.

A Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade informa que fara? um memorial no Parque Natural “Chico Mendes”, exatamente onde a Haisa foi enterrada, para homenagear esse animal carisma?tico e muito querido pelos funciona?rios e visitantes do Parque Zoolo?gico Municipal “Quinzinho de Barros”.

Haisa morreu na noite de quarta-feira (dia 18), por volta de 19h. Um Guarda Civil Municipal (GCM), que fazia o patrulhamento no local, estava próximo ao recinto e presenciou o momento em que Haisa morreu. Ele imediatamente acionou a equipe técnica do zoo que, ao chegar, constatou a morte do animal. Todos os funcionários estão em luto e o zoo não abriu ao público nesta quinta-feira.

Haisa chegou ao “Quinzinho de Barros” em 1995, já adulta, vinda do Beto Carrero. Estima-se que ela tinha atualmente mais de 60 anos, sendo considerado um animal bem idoso e, por isso, recebia uma rotina de cuidados especiais.

Desde o mês de maio deste ano, Haisa vinha apresentando dificuldade locomotora. Após avaliação clinica e exames foi constatado um quadro de artrose, uma doença degenerativa que não tem cura.

Haisa vinha sendo medicada com anti-inflamatórios, analgésicos e condroprotetores (complementos que estimulam a nutrição, hidratação e regeneração das cartilagens), e estava apresentando melhora satisfatória.

Todos os demais cuidados em prol da qualidade de vida da Haisa, além do controle da artrose, vinham sendo tomados por toda a equipe do zoológico de Sorocaba. Ela recebia uma atenção especial dos tratadores que passavam praticamente o dia todo junto com os elefantes, fornecendo uma dieta equilibrada, cuidados médicos veterinários e atividades de enriquecimento ambiental.