Manga é confirmado como candidato à prefeito de Sorocaba pela Justiça Eleitoral

Porém ainda segue a ação judicial que pede cassação da candidatura do candidato e sua inelegibilidade por oito anos, por conta de suposta fraude e abuso de poder publicada no último domingo (18) pelo Ministério Público e assinado pelo promotor de justiça da 137ª zona eleitoral Fabrício Pereira

A Justiça Eleitoral deferiu a candidatura do vereador Rodrigo Manga (Republicanos) como candidato a prefeito de Sorocaba. A decisão foi tomada neste domingo (25) pelo juiz eleitoral Emerson Tadeu Pires de Camargo.

“Estávamos tranquilos e a decisão de hoje só reforça que tínhamos razão em manter a serenidade diante dos inúmeros ataques que minha candidatura a prefeito vem recebendo desde o início da campanha eleitoral. Sem conseguir atacar meu Plano de Governo, as tentativas têm sido de barrar meu direito legítimo a concorrer democraticamente pelo cargo a prefeito. Temos sido alvo da judicialização da campanha. Todos sabem que somos o único caminho real de mudança para a nossa cidade e que temos um grande apoio da população”, afirmou o candidato Rodrigo Manga.

O candidato, agora, espera que essa reta final da eleição seja “marcada pelo debate de propostas de maneira sólida, sem ataques e jogo sujo dos adversários”.

Ação Judicial aberta pelo Ministério Público envolvendo uma suposta fraude e abuso de poder da coligação de Rodrigo Manga ainda não foi julgada

O Promotor da Justiça Eleitoral da 137º Zona Eleitoral Dr. Fabricio Pereira de Oliveira pede a cassação da candidatura da Coligação de Rodrigo Manga (Republicanos) com a alegação de Abuso de Poder Econômico e Fraude. O documento foi publicado no último domingo (18).

Em um documento com mais de 320 páginas, o Ministério Público Eleitoral também pede a inelegibilidade de Rodrigo Manga e mais outros três réus a oito anos sem os direitos políticos.

No seu pedido o Ministério Público alega que houve prática de ilegalidade na destituição da primeira Comissão Provisória do Partido AVANTE em Sorocaba e na nomeação de uma Segunda Comissão Provisória do mesmo partido, porém destituindo a candidatura de Flaviano Agostinho de Lima.

Em um trecho do documento o Promotor diz: “No caso, o abuso do poder econômico se materializou na destituição da primitiva Comissão Provisória do Partido AVANTE de Sorocaba, com propósito aqui revelado de impedir a candidatura de Flaviano Lima. ”

COLIGAÇÃO DIZ QUE É VITIMA DE JUDICIALIZAÇÕES

Em nota a Assessoria da Coligação de Rodrigo Manga afirmou ser vitima de Judicalização da campanha eleitoral.

“A coligação informa que tem sido vítima da Judicalização da campanha eleitoral e, dentre várias ações impostas pela oposição, já obteve êxito na grande maioria delas. Sobre essa ação em questão, ainda desconhece seu conteúdo, mas tem a tranquilidade e a certeza de que se trata de mais uma tentativa infrutífera de ataque. “