Seis pessoas, das dezesseis que contraíram o coronavírus e tiveram seus casos confirmados em Sorocaba já estão curados! FOTO ACIMA MERAMENTE ILUSTRATIVA.

A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Saúde (SES), registrou nesta quinta-feira (2) 16 casos confirmados do novo coronavírus. Deste total, oito estão internados, seis já se encontram recuperados e houve duas mortes confirmadas pela doença.

Em relação aos casos suspeitos, a cidade passou de 276 para 277 pessoas que aguardam resultados. Entre todos os suspeitos, 44 estão internados em hospitais da cidade, sendo 15 em UTI. Os óbitos em investigação já somam 10 na cidade. O número de descartados por resultados negativos da doença atingiu 50.

De acordo com o secretário da Saúde, Ademir Watanabe, é de extrema importância que as pessoas fiquem em casa e procurem uma unidade de saúde somente em situações de febre e falta de ar. “Como ainda não temos vacina e medicamento para a COVID-19, a melhor opção é ficar em casa”, reforçou.

O titular da pasta também lembrou que a Prefeitura está empenhada no planejamento do hospital de campanha, na Arena Multiúso. Já foi feita a preparação do teto e piso da arena com a colocação da fiação necessária para instalação dos leitos. O termo de referência para a contratação de empresa especializada já foi concluído e a definição da mesma deve ocorrer nos próximos dias”, completou.

Exames para casos internados

Seguindo a orientação do Governo do Estado de São Paulo, somente serão solicitados exames do novo coronavírus para pacientes suspeitos internados graves ou críticos e profissionais da área de saúde que apresentem sintomas de síndrome gripal.

O teste diagnóstico não deverá ser realizado em pessoas assintomáticas. Essas medidas buscam otimizar o bom uso desse recurso, cujos insumos estão restritos no mundo devido à situação pandêmica.

Casos suspeitos não notificados

Neste momento são considerados como suspeitos não notificados todos os pacientes que apresentarem características de síndrome gripal. Ou seja, pessoa com febre e sintomas respiratórios, sendo que a febre pode não estar presente em alguns, como pacientes jovens e idosos, ou que estejam fazendo uso de medicamento antitérmico.

A orientação é a de que procurem uma unidade de saúde somente as pessoas que percebam o agravamento dos sintomas, como falta de ar. Em situações menos complexas é recomendado o isolamento domiciliar por até 14 dias.