Motivos Para Acreditar

Ao invés de buzinar, motorista checa carro parado no sinal verde e salva uma vida

Boa parte dos motoristas fica muito aborrecida no trânsito, às vezes, com razão, mas esse motorista fez diferente

Enfrentar um congestionamento após um dia estressante no trabalho ou na faculdade pode ser um baita teste para os nervos. É desafiador se colocar no lugar do outro nessa condição.

Talvez seja por isso que nos surpreendemos tanto com uma atitude sensível e empática no trânsito. Geralmente, a norma é ser indiferente.

Não para o motorista Aurelio ‘Rikki’ Todd, que vive em Michigan (EUA). Certo dia, enquanto dirigia pela avenida Burcham Drive, se deparou com uma situação estranha.

Uma fila com 15 carros havia se formado embaixo do semáforo. O sinal ficou verde duas vezes, mas os carros não se movimentaram. Muitos motoristas começaram a buzinar impacientemente, já que o primeiro carro da fila permanecia estático.

Foi aí que Todd percebeu que algo estava errado. O motorista estava inconsciente.
Todd desceu do carro e se dirigiu até o primeiro veículo da fila, onde encontrou Kobie Johnson, 45 anos, caído inconsciente no volante.

Após o choque, ele bateu na janela (que estava fechada) para tentar acordar o homem, sem sucesso. Parecia que Kobie não estava conseguindo respirar.

Rapidamente ele ligou para 911 e acionou o serviço de emergência. Enquanto isso, o amigo de Todd, que estava acompanhando ele no carro, espalhou a notícia para os demais motoristas da fila, que mudaram suas rotas e eliminaram o congestionamento.

Enquanto aguardavam a ambulância chegar, Todd tentava conversar e animar Kobie através da janela. “Eu ficava batendo contra o vidro, gritando: ‘Espere, aguente, apenas aguente’”, disse. “Eu queria que ele soubesse que não estava sozinho. Que tudo ficaria bem e que ele não precisava se preocupar, apenas esperar”.

O serviço de emergência conseguiu abrir o veículo e retirar Kobie dali. Dentro da ambulância, constatou-se que ele estava muito frio e com pulso fraco. O homem foi levado às pressas para o Hospital Sparrow, onde uma equipe médica chegou à conclusão que ele havia sofrido uma parada cardíaca, mas que não corria risco de vida.

Os rapazes do serviço de emergência que resgataram Kobie. No meio, ele aparece à esquerda e Todd, à direita. Foto: Reprodução
Leia também: Nos EUA, motoristas podem pagar multas com alimentos para necessitados

Recuperação

Internado no hospital por alguns dias, Kobie saiu do coma e recebeu alta. O infarto foi provocado por uma diverticulite (inflamação na parede interna do intestino), que ainda estava sendo tratada.

De licença do trabalho, ele deve voltar à ativa em janeiro de 2020, com o término do tratamento.

“Nunca poderei agradecer o suficiente a todos os envolvidos. E é estranho dizer isso porque não lembro de nada”, revelou ele, afirmando que não se lembra daquele fatídico dia.

“Tenho certeza de que acordei naquela quinta-feira pensando que era outro dia qualquer, sem saber que poderia ser o meu último”, disse Kobie, refletindo sobre sua provação. “É importante viver todos os dias ao máximo, porque você nunca sabe se haverá outro”, concluiu.