Esporte

Dentinho e Taison são vítimas de racismo na Ucrânia

O clássico do Campeonato Ucraniano entre Shakhtar Donetsk e Dínamo de Kiev, no último domingo, foi marcado por casos de racismo endereçados aos brasileiros Dentinho e Taison. Os dois deixaram o gramado chorando e se pronunciaram em suas redes sociais após o ocorrido.

“Eu não queria comentar sobre o que aconteceu ontem (domingo), mas acho que não posso me calar diante de algo tão grave. Eu estava fazendo uma das coisas que mais amo na minha vida, que é jogar futebol, e, infelizmente, acabou sendo o pior dia da minha vida”, escreveu Dentinho em seu Instagram nesta segunda-feira.

Em algumas oportunidades, a torcida do Dínamo de Kiev fez sons de macaco aos jogadores. “Essas cenas não saem da minha cabeça. Não consegui dormir e já chorei muito. Sabe o que eu senti naquele momento? Revolta, tristeza e nojo de saber que ainda existem pessoas tão preconceituosas nos dias de hoje”, concluiu o jogador.

View this post on Instagram

Eu não queria comentar sobre o que aconteceu ontem, mas acho que não posso me calar diante de algo tão grave. Eu estava fazendo uma das coisas que mais amo na minha vida, que é jogar futebol e, infelizmente, acabou sendo o pior dia da minha vida. Durante o jogo, por três vezes, a torcida adversária fez sons que lembravam macacos, sendo duas vezes direcionadas a mim. Essas cenas não saem da minha cabeça. Não consegui dormir e já chorei muito. Sabe o que eu senti naquele momento? Revolta, tristeza e nojo de saber que ainda existem pessoas tão preconceituosas nos dias de hoje. Agradeço a todos pelas mensagens de apoio e manifestações de carinho. ⚽❤ #noracism #nãoaopreconceito

A post shared by Dentinho ⚽🇧🇷 (@mlkdentinho) on

Ainda no domingo, o atacante Taison também resolveu usar o Instagram para se colocar contra o crime de racismo, sofrido por ele e seu companheiro. Ele mostrou o dedo do meio para a torcida e, pelo ato, acabou expulso.

“Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível! Minhas lágrimas foram de indignação, de repúdio e de impotência, impotência por não poder fazer naquele momento! Mas somos ensinados desde muito cedo a sermos fortes e lutar! Lutar pelos nossos direitos e por igualdade! Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracistas”, escreveu.

O jogo, disputado em Metalist, a casa do Shakhtar, terminou 1 a 0 para os donos da casa, com gol de Sergiy Krivtsov. As ofensas vieram da torcida visitante e os dois jogadores não queriam seguir jogando. A arbitragem chegou até mesmo a paralisar o duelo e retirar os times de campo. Os próprios jogadores do Dínamo pediram para que os torcedores parassem com as ofensas.

View this post on Instagram

“ Amo minha raça, luto pela cor, o que quer que eu faça é por nós, por amor… “ Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível ! Minhas lágrimas foram de indignação, de repúdio e de impotência, impotência por não poder fazer nada naquele momento ! Mas somos ensinados desde muito cedo a sermos fortes e a lutar ! Lutar pelos nossos direitos e por igualdade ! O meu papel é lutar , bater no peito , erguer a cabeça e seguir lutando sempre ! ✊🏿 Em uma sociedade racista, não basta não ser racista, precisamos ser antirracista ! O futebol precisa de mais respeito, o mundo precisa de mais respeito ! Obrigada a todos pelas mensagens de apoio ! Seguimos a luta …✊🏿 Net rasizmu

A post shared by Taison Barcellos Freda (@taisonfreda7) on

To Top