Mundo

Bebê de 1 ano tem queimaduras após a babá colocar sua mão em água fervente

Segundo o relato da mãe, que denunciou os maus-tratos, a babá da criança, que era de Mianmar, disse que cometeu o ato para ‘ir para casa’.

Uma bebê de 1 ano e 4 meses teve queimaduras depois que uma babá colocou sua mão e parte do braço em um pote de água fervente, em Singapura.

Os maus-tratos foram denunciados pela mãe da criança, Amy Low Mei Liang, no Facebook, e tiveram repercussão na imprensa local e internacional.

Segundo a publicação de Amy, a filha mais velha, de 8 anos, ligou para o pai, marido de Amy, por volta das 17h do dia do incidente, 14 de janeiro, dizendo que a irmã tinha sofrido uma queimadura. O casal levou a bebê às pressas até uma clínica próxima, onde ficou constatado que os ferimentos eram sérios e a criança foi encaminhada a um hospital.

Quando Amy questionou a babá sobre o que tinha acontecido, a mulher disse que estava cozinhando com a bebê no colo quando a criança tocou a panela antes que ela pudesse impedir, por acidente. No relato do incidente, a mãe conta que os médicos desconfiaram da versão da babá, mas ela escolheu acreditar na história.

No dia seguinte, a babá, que é de Mianmar e foi para Singapura por meio de uma agência de trabalho, arrumou suas malas e pertences e pediu para voltar para a agência. Apesar de Amy dizer que o casal não a culpava, a mulher insistiu e ela, então, ligou para o local, que ficou de buscar a babá.

“E o que vi foi horrível. A empregada fez de propósito! Não foi um acidente! Ela pegou a mão da minha filha e a mergulhou dentro de uma panela fervente”, relatou no Facebook.

A mãe da criança disse ainda que fez uma denúncia na polícia e informou a agência sobre o acontecido. A empresa insistiu que ela “devolvesse” a babá e encerrasse o caso. Em vez disso, Amy perguntou à mulher por que ela havia feito aquilo.

“Ela [a babá] disse que queria ir para casa, que as amigas a ensinaram a fazer isso para que ela pudesse ir para casa. E quando perguntei se o agente [da empresa] também estava envolvido, ela disse que sim”, escreveu a mãe.
Segundo o relato, a babá contou a Amy que o agente lhe disse que, se fizesse aquilo com a criança, poderia ir para casa. A mãe também afirma que a empresa a assediou e a acusou de ser uma má empregadora e que, por isso, a babá queria ir embora.

Amy diz que também fez uma segunda denúncia, esta contra a agência. “Mas o resultado foi decepcionante, a polícia disse que, a menos que o agente nos assedie novamente, eles não farão mais nenhuma ação”, relata no Facebook.

Segundo o jornal local de Singapura “Today Online”, o ministério do Trabalho do país declarou ao veículo que está ciente do post de Amy. O órgão também acrescentou que está investigando a agência de emprego por uma possível violação da lei singapurense que trata de agências de trabalho.

‘Minha filha chora sem parar’, diz a mãe
“Minha filha chora sem parar todas as noites. Mesmo quando está tirando uma soneca, ela chora enquanto dorme. Acho que, além de sentir a dor na mão, ela está tendo pesadelos”, disse Amy ao “Today Online”. Ela acrescentou que o incidente também afetou sua filha mais velha, que está se culpando por não cuidar da irmã, mesmo tendo sido ela quem fez a ligação para contar do incidente.

Amy tirou uma licença do trabalho e está se revezando com o marido para cuidar das filhas. Ela diz que não vai empregar uma babá tão cedo, e que planeja colocar a filha mais nova em uma creche em março – além de pedir ajuda à própria mãe, que mora na Malásia.

“Minha filha está tão afetada que agora está com medo de estranhos. Mesmo quando nossos amigos vêm nos visitar, ela só quer que nós a seguremos. Fico muito triste por ela ter passado por isso ”, disse Amy ao jornal.