Início Em Sorocaba Samaritano de Sorocaba é o primeiro hospital particular na cidade a...

Samaritano de Sorocaba é o primeiro hospital particular na cidade a realizar cirurgia cardíaca infantil

527
0

Cardiopatia congênita é a 3ª maior causa de mortalidade neonatal no Brasil

O Hospital Samaritano de Sorocaba é mais uma vez pioneiro ao realizar cirurgias cardíacas neonatal e pediátrica de alta complexidade. O procedimento que teve início em fevereiro deste ano, é extremamente delicado e demanda cuidados ainda mais especiais do que aqueles necessários para uma intervenção em um coração adulto.

Segundo dados do Ministério da Saúde, a cardiopatia congênita é a 3ª maior causa de mortalidade neonatal no Brasil. Cerca de 10 a cada 1000 bebês nascidos vivos sofrem da doença e em cerca de 80% dos casos, a intervenção cirúrgica é necessária.

A cardiopatia congênita trata de anomalias resultantes de defeitos anatômicos do coração ou dos grandes vasos associados, com comprometimento da estrutura e da função do coração e podem ser detectadas durante o pré-natal. Entre os possíveis fatores estão algumas condições maternas, como diabetes, hipertensão, obesidade e histórico familiar.

Para o cirurgião cardiovascular pediátrico Dr. Ayrton Bertini Júnior, o diagnóstico precoce é muito importante para garantir um parto seguro e o tratamento adequado para o bebê. “O pré-natal é essencial porque é durante o ultrassom que percebemos se há algo errado. Caso a doença seja detectada, a intervenção deve ocorrer nos primeiros 30 dias de vida”, cita.

Antes de fevereiro, gestantes que descobriam no pré-natal a doença do bebê, precisavam se deslocar para São Paulo para o parto. “Isso acontecia porque a cidade não possuía o procedimento. Porém, o ideal é que o bebê nasça onde ele será tratado. Dessa maneira o processo torna-se mais seguro, além de evitar o deslocamento da família”, comenta o médico.

Após o nascimento, o bebê segue para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) onde se inicia os cuidados de acordo com a patologia. “Cada doença tem uma evolução, então cada paciente tem seu tempo. Feito o diagnóstico, entra em ação uma equipe formada por vários especialistas que, juntos, terão condições de definir a melhor abordagem para o tratamento da criança”, explica Dr. Luis Cavalcanti Pereira Lima, radiologista pediátrico especializado em terapia intensiva e cardiologia.

Ainda segundo Luis, o que de mais grave pode ocorrer em um bebê é uma doença cardíaca. “Se você não opera no tempo adequado, isso com certeza implicará na vida da pessoa no futuro”, explica.

A partir de agora, Sorocaba está entre os principais centros fora da capital que oferece esse serviço. “A cidade acabará se tornando um centro de referência na região para esse tipo de tratamento e, desta forma, beneficiando diversas famílias”, relata Dr. Ayrton.

Para o diretor técnico do hospital, Dr. Diogo Gomes Pereira, quem ganha é a cidade. “Sorocaba tinha um problema muito sério em ter que encaminhar crianças com essa patologia para São Paulo. Estamos muito felizes com essa conquista, em especial pela equipe multidisciplinar incrível que temos. Já estamos colhendo ótimos resultados”, enfatiza.

Primeira paciente

A pequena Maria Clara, de apenas 3 meses, foi a primeira paciente a passar pelo procedimento no Hospital Samaritano de Sorocaba. De acordo com a mãe Joice Fernandes de Campos, a descoberta aconteceu durante a 28ª semana de gravidez. “Descobrimos a má formação no coração através de um exame. Ficamos aflitos pois na época a cirurgia não era realizada aqui e teríamos que viajar assim que ela nascesse”, lembra.

Após alguns meses o hospital anunciou que implantariam o procedimento e que a viagem não seria necessária. “Ficamos bem mais tranquilos. Após 45 dias de internação, estamos felizes com todo o apoio que recebemos”, diz Joice.

De acordo com o Dr. Ayrton, Maria Clara nasceu com um problema do lado direito do coração, que leva sangue para o pulmão. “A cardiopatia muitas vezes precisa ser feita em dois ou três estágios, enquanto a criança cresce e se desenvolve. A partir de agora, vamos acompanhá-la e torcer para que a recuperação seja excelente”, finaliza. Maria Clara já está em casa aproveitando o convívio com seus familiares e passa muito bem.

CRÉDITOS: Divulgação